Santuário Arquidiocesano

Catedral Cristo Rei

08h
- Missa

10h30
- Missa
15h30
- Missa
Sábado - Terço da Paz

15h

Domingo - Terço da Misericórdia

15h

Você está em:

Papa Francisco: “Evangelizar é ter Jesus no centro do coração”

Na Audiência Geral desta quarta-feira, 18 de outubro, o Papa Francisco prosseguiu sua meditação sobre o zelo apostólico e nos convidou a nos inspirarmos em Charles de Foucauld, “homem que fez de Jesus e dos seus irmãos mais pobres a paixão da sua vida”.

De acordo com o Santo Padre, Charles de Foucauld “depois de ter vivido uma juventude longe de Deus, sem acreditar em nada a não ser na busca desordenada do prazer, revelou a razão do seu viver”. “Ele escreve”: ‘Perdi o meu coração por Jesus de Nazaré’.  Para o Papa Francisco, “o irmão Carlos nos recorda que o primeiro passo para evangelizar é ter Jesus no centro do coração, é ‘perder a cabeça’ por Ele. Se isso não acontece, dificilmente conseguiremos mostrá-lo com a vida”.

Tenho Jesus no centro do meu coração?

O Pontífice sublinha que “em vez disso, corremos o risco de falar de nós mesmos, do nosso grupo, de uma moral ou, pior ainda, de um conjunto de regras, mas não de Jesus, do seu amor, da sua misericórdia”. E completa dizendo que percebe isso em alguns movimentos novos que estão surgindo. “Falam de sua visão da humanidade, falam de sua espiritualidade, da própria espiritualidade. Eles se sentem numa estrada nova. Mas, por que não falam de Jesus? Falam de muitas coisas, de organização, de caminho espiritual, mas não sabem falar de Jesus. Perguntemo-nos então: tenho Jesus no centro do meu coração, perdi um pouco a cabeça por Ele?

Em seguida, o Santo Padre retomou sua meditação, descrevendo para os fiéis o desejo de Foucauld em conhecer Cristo: “Aconselhado pelo seu confessor, Charles de Foucauld vai à Terra Santa para visitar os lugares onde o Senhor viveu e caminhar por onde o Mestre caminhou. Em particular, é em Nazaré que compreende que devia formar-se na escola de Cristo. Vive uma relação intensa com Ele, passa longas horas lendo os Evangelhos e sente-se seu pequeno irmão. Conhecendo Jesus, nasce nele o desejo de torná-lo conhecido”.

“Sempre acontece assim, quando cada um de nós conhece mais Jesus, nasce o desejo de torná-lo conhecido, de partilhar esse tesouro” com a vida, porque ‘toda a nossa existência – escreve o Irmão Carlos – deve gritar o Evangelho’. Muitas vezes na nossa existência grita mundanidade, gritam coisas estúpidas, coisas estranhas. Mas, ele diz: ‘não, toda a nossa existência deve gritar o Evangelho’”.

Todo cristão é apóstolo

Segundo o Santo Padre, “Charles decide então estabelecer-se em regiões distantes para gritar o Evangelho no silêncio, vivendo no espírito de Nazaré, na pobreza e no escondimento. Vai ao deserto do Saara, entre os não cristãos, e chega a eles como amigo e irmão, levando a mansidão de Jesus-Eucaristia. Fica em oração aos pés de Jesus, diante do tabernáculo, cerca de dez horas por dia, certo de que a força evangelizadora está ali e sentindo que é Jesus a aproximá-lo de tantos irmãos e irmãs distantes”.

‘Todo cristão é apóstolo’ escreve Charles de Foucauld a um amigo leigo, a quem recorda que ‘perto dos padres são necessários leigos que vejam o que o padre não vê, que evangelizem com uma proximidade de caridade, com uma bondade para todos, com um afeto sempre pronto a se doar’. “Leigos santos e não carreirista, mas aqueles leigos, aquele leigo, leiga apaixonados pelo Senhor, que fazem entender ao padre que ele não é um funcionário, mas um mediador, um sacerdote. Quanto, nós sacerdotes, precisamos ter perto de nós leigos, esses leigos que acreditam realmente, e, com o seu testemunho, nos ensinam o caminho”, sublinhou o Papa Francisco.

Para o Pontífice, dessa forma, Charles de Foucauld “antecipa os tempos do Concílio Vaticano II, intui a importância dos leigos e compreende que o anúncio do Evangelho diz respeito a todo o povo de Deus”.

A beleza de comunicar o Evangelho

Ao prosseguir com sua catequese, o Papa Francisco recorda que “São Charles de Foucauld, figura que é profecia para o nosso tempo, testemunhou a beleza de comunicar o Evangelho por meio do apostolado da mansidão: ele, que se sentia um ‘irmão universal’ e acolhia a todos, nos mostra a força evangelizadora da mansidão, da ternura.”

“Não nos esqueçamos que o estilo de Deus são três palavras: proximidade, compaixão e ternura. Deus está sempre próximo, tem sempre compaixão e sempre é terno, e o testemunho cristão deve seguir essa estrada de proximidade, compaixão e ternura. São Charles era assim manso e terno”.

Ainda segundo o Santo Padre, São Charles “desejava que quem o encontrasse visse, por meio de sua bondade, a bondade de Jesus”. E acrescentou: “A bondade é simples e pede que sejamos pessoas simples, que não tenham medo de dar um sorriso. Com o sorriso, com a sua simplicidade, irmão Carlos dava testemunho do Evangelho, nunca proselitismo, nunca, mas testemunho. A evangelização não se faz por proselitismo, mas pelo testemunho, pela atração”.

Dia de jejum e oração pela paz

Ao fim de sua catequese, o Papa Francisco convidou todos os cristãos a rezarem pela paz no mundo:

“Decidi convocar um dia de jejum e oração na sexta-feira, 27 de outubro, um dia de penitência para o qual convido os irmãos e irmãs das várias denominações cristãs, aqueles que pertencem a outras religiões e todos os que prezam a causa da paz no mundo, a participarem como acharem adequado.”

*Informações: Vatican News

VEJA TAMBÉM