Santuário Arquidiocesano

Catedral Cristo Rei

08h
- Missa

10h30
- Missa
15h30
- Missa
Sábado - Terço da Paz

15h

Domingo - Terço da Misericórdia

15h

Artigo de dom walmor

Você está em:

Artífice de amizades

O cristão sabe que na vivência autêntica da sua fé inscreve-se o compromisso de ser artífice de amizades com força para alavancar a fraternidade universal. Alia-se aos que se vinculam a outras confissões religiosas humanistas para, cotidianamente, labutar, em cada gesto e palavra, por uma frutuosa semeadura do amor, no horizonte largo e luminoso do ministério de seu Senhor e Redentor. Jesus Cristo inspira mudança profunda no coração humano a partir do princípio de que ninguém tem amor maior do que Aquele que dá a sua vida em resgate da humanidade, efundindo o seu sangue redentor do alto da cruz. A cruz, instrumento de suplício e condenação, torna-se altar da perene e duradoura redenção. Em Cristo Jesus se engenhou, com a arquitetura de gestos nobres e oblativos, a modelagem intocável da amizade. Assim, os seguidores de Cristo têm o compromisso de viver e testemunhar o amor maior – é vocação e missão, tarefa e dom, ser artífice de amizades, pela convicção sapiencial bíblica de que um amigo encontrado é um tesouro achado, como preciosidade inigualável.

Ilumina o propósito de ser artífice de amizades a singularidade do amor do Mestre por seus discípulos ao dizer-lhes, no momento precedente à sua paixão e morte: já não vos chamo servos, mas amigos. Os discípulos ficaram desafiados a compreender que sua tarefa missionária inclui a constituição de amplas “rodas de amigos”. Nesse contexto, “rodas de amigos” ultrapassa o reduzido sentido de “clube”, de grupos que buscam partilhar afinidades, pensamentos, reflexões. A missão do discípulo é compor “rodas de amigos” para a vivência da fraternidade universal, derrubando barreiras e curando, com o remédio do amor, as feridas do preconceito e da discriminação. Para que vivam bem essa missão, o Mestre ensina a seus seguidores a força do perdão – motor de transformações e reconciliações, que dissipa sentimentos motivadores de retaliações, vinganças e de qualquer inimizade.

O exercício espiritual e humanístico de ser artífice de amizades inclui sempre querer o bem do semelhante, reconhecendo que o outro é irmão e irmã. Desse modo se alcança a grandeza de alma que alavanca palavras capazes de curar, a intuição que resolve problemas e a sabedoria para entrelaçar corações, superando as inimizades que provocam perdas irreparáveis. A grandeza própria dos artífices de amizades repercute em atuações profissionais, desempenhos cidadãos e religiosos, na participação em projetos diversos. É o alicerce da fraternidade universal que torna possível reconfigurar, até mesmo, o campo político. Para além da perspectiva ideológica do mundo da política, é primordial reconhecer que cada pessoa, sem exceção, é irmão ou irmã, buscando sempre a integração de todos. Ensina o Papa Francisco, na Carta Encíclica Fratelli Tutti, que um indivíduo pode ajudar uma pessoa necessitada, mas quando se une a outros para gerar processos sociais de fraternidade e justiça para todos, entra no campo da caridade mais ampla, da caridade política. E ao avançar na caridade política, pode efetivar uma ordem sociopolítica cuja alma seja a caridade social.

É indispensável cultivar grandeza da alma para conseguir viver a caridade política, ultrapassando os limites das próprias afinidades e construir relações de alcance transformador nos âmbitos sociais, econômicos e políticos. Sem a necessária envergadura humana, afetiva e espiritual para se viver a caridade política, a miopia dos entendimentos presidirá processos e inevitável será o atraso nas soluções de problemas. O artífice de amizade elege o amor social como prioridade e vetor determinante de sua ação, tornando-a ampla e eficaz. Jesus, na sua maestria, deixa aos discípulos a preciosa indicação do amor social, quando purifica no coração de seus seguidores o entendimento sobre a oferta de sua vida. Incontestável, ensina também o Papa Francisco, que o amor social é uma força capaz de suscitar novos caminhos no enfrentamento dos problemas contemporâneos, com incidências na transformação de estruturas, organizações sociais e ordenamentos jurídicos.

O amor social, para além de sentimentalismos, sublinha a necessidade de serem reconhecidas responsabilidades morais na busca pelo bem do semelhante, inspirando mudanças. Essas responsabilidades incluem o compromisso com o que é verdadeiro. A caridade precisa da luz da verdade, sem relativismos. Importa buscar o bem de todos, especialmente dos pobres e sofredores. Fazer-se artífice de amizade social é também fecundar corações e mentes com o amor político, enobrecendo a atividade política para torná-la caminho de grandes transformações na sociedade. Valha o convite e sua aceitação de atuar no mundo como artífice de amizade social, alavancando um novo tempo de fraternidade universal.

 

Dom Walmor Oliveira de Azevedo
Arcebispo metropolitano de Belo Horizonte

 

Ícone Arquidiocese de BH